Entenda a importância das vitaminas do complexo B para a sua saúde

vitaminas-b-620x330

As vitaminas são substâncias essenciais para o bom funcionamento do corpo. O complexo B é formado por diversas vitaminas coexistentes em alguns alimentos e que se complementam para fazer a manutenção da saúde. Elas são hidrossolúveis e não são produzidas em grandes quantidades pelo corpo, por isso precisam ser adquiridas por meio da alimentação.

Quem pratica atividade física regularmente precisa estar ainda mais atento aos benefícios dessas vitaminas. Isso porque o exercício físico intenso aumenta a necessidade de alguns nutrientes que serão usados para o crescimento e regeneração muscular. Assim, uma das principais funções do complexo B é a conversão dos alimentos em energia, e a sua falta pode causar uma queda na disposição durante o treino.

As vitaminas do complexo B podem ser encontradas em brócolis, peixes, aveia, cereais integrais, abacate, batata e vegetais verdes. Logo, é essencial ingerir esses alimentos regularmente para se ter uma vida mais saudável.

Quais são as vitaminas do complexo B e os seus benefícios?

O que chamamos de complexo B é um conjunto de 8 vitaminas hidrossolúveis. Confira, a seguir, quais são essas vitaminas e as suas vantagens.

Vitamina B1 (Tiamina)

Essa vitamina é conhecida por combater o estresse, por apresentar uma capacidade de melhorar o sistema imunológico do organismo. Ela também apresenta um papel essencial em muitos processos metabólicos que podem contribuir para a manutenção do equilíbrio do corpo, como a tonicidade muscular. É encontrada em alimentos como couve, cereais, feijão e espinafre.

Vitamina B2 (Riboflavina)

A vitamina B2 auxilia na prevenção do envelhecimento celular, pois age como um antioxidante natural, o que combate os radicais livres, principalmente em fumantes. Além disso, auxilia no transporte de oxigênio pelo corpo. Ela pode ser encontrada no arroz selvagem, amêndoas e couve.

Vitamina B3 (Niacina)

Essa vitamina provoca um aumento do colesterol bom no corpo. É importante lembrar que a ingestão de álcool elimina essa vitamina do organismo. A niacina também contribui para a manutenção das células do sistema sanguíneo e nervoso. As principais fontes são os legumes, verduras e feijão.

Vitamina B5 (Ácido pantotênico)

A vitamina B5 é encontrada em praticamente todos os alimentos. Ela auxilia na quebra de gordura e carboidratos, além de aumentar os níveis de testosterona. As principais fontes são os iogurtes, abacate e legumes.

Vitamina B6 (Piridoxina)

Essa vitamina reduz os riscos de doenças cardíacas e promove a produção de serotonina e melatonina. Além disso, diminui a inflamação do corpo, o que beneficia pessoas com artrite. Ela pode ser encontrada no arroz, cenoura e lentilha.

Vitamina B7 (Biotina)

A biotina melhora a saúde das unhas e do cabelo, além de ser essencial durante a gestação. Essa vitamina também é muito importante por quem sofre de diabetes, pois ajuda no controle dos níveis de açúcar no sangue. Ela é encontrada na batata, cevada e nozes.

Vitamina B9 (Folato)

O folato é responsável pela manutenção da memória e na luta contra a depressão. Assim como a biotina, a vitamina B9 também é importante para o desenvolvimento do feto. As principais fontes são o feijão, aspargo e beterraba.

Vitamina B12 (Cobalamina)

A cobalamina é uma das mais importantes do complexo B, porém, em algumas pessoas, ela se apresenta em baixas quantidades. Isso porque essa vitamina é de origem animal e pessoas veganas podem ter deficiência de B12. A sua principal função é levar oxigenação adequada para todo o corpo.

Ademais, ela é essencial para a manutenção e desenvolvimento das funções do sistema nervoso. Sem a cobalamina, a bainha de mielina, que recobre os neurônios, pode sofrer um desgaste. Assim, o seu consumo é fundamental. As principais fontes são o ovo e a carne bovina ou suína. Por isso, se você é vegano, não deixe de consultar um médico que poderá indicar um suplemento de vitamina B12.

Qual a importância das vitaminas do complexo B para quem pratica atividade física?

Quem pratica exercícios físicos necessita de um aporte adequado de nutrientes, como gorduras, proteínas e carboidratos. Entretanto, os macronutrientes não são suficientes, por isso é necessário o consumo adequado de minerais e vitaminas, conhecidos como micronutrientes.

Assim, as vitaminas do complexo B realizam um papel muito importante para preservar as funções normais do organismo. Elas mantêm a tonicidade muscular, a saúde e auxiliam as enzimas relacionadas ao metabolismo energético. Com isso, há uma maior produção de energia durante o treino e, consequentemente, o desempenho físico é potencializado.

Quais são os sintomas da deficiência das vitaminas do complexo B?

De modo geral, os sintomas da carência de qualquer vitamina do complexo B se parecem bastante. Entre os principais, estão:

  • irritabilidade;
  • cansaço;
  • tontura;
  • fraqueza muscular;
  • queda de cabelo;
  • dor de cabeça;
  • dermatite;
  • anemia;
  • unhas fracas;
  • cãibras.

Assim, é essencial prestar atenção nos sintomas listados acima e, caso esteja com algum indício de falta de vitaminas do complexo B, não deixe de procurar um nutricionista imediatamente.

A suplementação de complexo B é importante?

Como diversas vitaminas do complexo B agem na maioria das vezes em conjunto, ao optar por fazer a suplementação, é importante ingerir uma pequena dose de cada uma. Logo, a suplementação pode ser feita por via oral (por meio de pastilhas, sachês ou cápsulas) e até intravenosa.

No entanto, toda suplementação e indicação deve ser feita de acordo com os resultados de exames bioquímicos, que costumam ser demandados pelo nutricionista. Além disso, o excesso desse tipo de vitamina não traz muitas complicações, mas em quantidades muito altas, podem ocorrer problemas hormonais e a multiplicação celular.

É importante lembrar que o ideal é manter uma alimentação saudável com alimentos que sejam fontes de cada vitamina do complexo B. Ademais, tome cuidado com o excesso de bebidas alcoólicas, pois podem atrapalhar na absorção das vitaminas.

Como foi visto, as vitaminas do complexo B são muito importantes para o bom funcionamento do organismo e, principalmente, para quem pratica atividades físicas. Por isso, não deixe de manter uma dieta balanceada, consumindo verduras, frutas, legumes e carnes.

Descubra como e por que diminuir o seu percentual de gordura

1kg-de-gordura-vs-1kg-de-musculo-e1523152115709

“Percentual de gordura” virou a expressão do momento. Afinal, sempre que se fala em dietas, emagrecimento e hipertrofia, esse termo está presente, não é mesmo? Ainda assim, muitas vezes, o seu significado não é compreendido ou tem entendimento incompleto por parte das pessoas.

Como forma de controlá-lo da forma correta, é fundamental saber do que se trata essa medida. Somente assim se torna possível estabelecer maneiras adequadas e saudáveis de diminuí-la e ter ainda mais resultado nos treinos. Quer entender mais sobre esse assunto?

O que é percentual de gordura?

Percentual de gordura, como a própria expressão diz, é o índice de gordura em relação aos outros componentes do nosso organismo, como músculos, órgãos, sangue etc.  (que, juntos, podem ser denominados massa magra).

Ainda que tenha se tornado a vilã das dietas, em quantidades adequadas, a gordura é importante para algumas funções vitais do nosso corpo. Como exemplo, podemos citar:

  • fonte de energia;
  • auxílio na construção das células;
  • regulação da temperatura corporal;
  • proteção de órgãos vitais;
  • composição de hormônios;
  • produção de enzimas.

Por que é importante conhecer o percentual de gordura?

Como dissemos, em quantidades adequadas, a gordura tem funções essenciais no organismo. Por isso, conhecer o seu percentual é importante: essa é uma maneira de ter controle sobre esse índice e garantir o bom funcionamento de processos importantes para a saúde.

Mas qual será o percentual de gordura ideal? Bom, isso varia de pessoa para pessoa, já que fatores como gênero, idade e estilo de vida influenciam nesse índice. Para um homem de 20 a 29 anos sedentário, por exemplo, o valor ideal é entre 11 e 13%, enquanto que para mulheres com o mesmo estilo de vida esse percentual varia de 16 a 19%.

Em atletas, o percentual adequado é ainda menor. Homens nessas condições e mesma faixa etária do que a anterior devem ter menos de 11% e mulheres menos de 16%. É importante ainda lembrar que esse percentual tende a aumentar com o envelhecimento, já que, com o passar do tempo, o metabolismo do ser humano tende a reduzir.

Como é possível medir o percentual de gordura?

Existem diferentes maneiras de medir o percentual de gordura de uma pessoa. São algumas das técnicas:

  • fórmulas com dobras cutâneas;
  • bioimpedância;
  • balança digital com medidor de gordura corporal.

Para maior precisão, esses métodos devem ser aplicados por um profissional da área, o nutricionista. Ainda, são necessários equipamentos específicos de forma que o resultado seja coerente com a realidade.

Por que diminui-lo?

Da mesma maneira que percentuais de gordura muito baixos são capazes de afetar o funcionamento adequado do organismo, altos níveis também são prejudiciais. Afinal, como já se sabe, a obesidade traz riscos para a saúde, como:

  • doença arterial coronariana;
  • pressão alta;
  • diabetes;
  • problemas articulares;
  • apneia do sono;
  • baixa autoestima;
  • depressão.

Por isso, é importante controlar e, quando em valores excessivos, diminuir esse índice de gordura corporal.

Como diminuir o percentual de gordura?

Saber a definição do percentual de gordura e seus níveis adequados é o primeiro passo para ter a composição corporal desejada. No entanto, ainda é preciso saber como diminui-lo, não é mesmo? Confira abaixo algumas maneiras de fazer isso!

Escolher os alimentos ideais

Para diminuir o percentual de gordura, você deve ficar atento ao que consome! Você, com certeza, já ouviu falar na gordura trans, não é mesmo? Ela nada mais é do que a gordura vegetal que passa por um processo denominado hidrogenação, que pode ser natural ou industrial. Isso se dá com o intuito tanto de melhorar a aparência dos alimentos, quanto de ampliar o seu prazo de validade.

No entanto, os seus efeitos no corpo não são dos mais desejáveis. A gordura trans é capaz, por exemplo, de aumentar o colesterol total e o ruim no organismo, assim como de elevar o acúmulo de gordura. Por isso, alimentos que contêm esse tipo de elemento devem ser evitados ao máximo.

Reduzir a ingestão calórica

As calorias consistem em uma unidade de medida de energia da qual nosso corpo precisa para realizar as suas funções diariamente. Elas podem ser encontradas nos alimentos, devendo ser consumidas na quantidade adequada, já que o consumo excessivo pode favorecer o acúmulo de gordura e, assim, elevar o percentual.

No entanto, não se engane: caloria não é tudo a mesma coisa! Aquelas provenientes de carboidratos, por exemplo, são mais difíceis de serem quebradas pelo organismo, demandando mais energia (calorias), evitando tanto acúmulo de gordura. Por outro lado, lipídios (presente no chocolate, por exemplo), são facilmente digeridos, sendo necessárias menos calorias (que são energia) para a quebra, facilitando o ganho de peso.

Inserir carboidratos e proteínas adequadamente

Muito importantes na dieta de quem treina, as proteínas são capazes de diminuir o catabolismo muscular, que consiste na quebra de proteínas do tecido muscular para a geração de energia. No entanto, devem ser consumidas com cautela. Da mesma forma, os carboidratos são importantes fontes de energia, mas, consumidos em excesso, principalmente os simples, aumentam o percentual de gordura.

Sendo assim, para diminuir esse índice, é importante ficar atento à quantidade de consumo desses nutrientes. Mais uma vez, o acompanhamento de um profissional da área se torna fundamental de maneira a garantir os melhores resultados possíveis.

Aumentar a intensidade dos treinos

Treinar de maneira intensa também ajuda a diminuir o percentual de gordura. Apesar de o exercício aeróbico ser um importante aliado na perda de gordura, o anaeróbico também ajuda na diminuição do percentual de gordura a partir do momento em que promove aumento de massa magra.

Sendo assim, é fundamental balancear bem a prática desses dois tipos de exercício. Treinos periodizados e participação em aulas de HIIT (também conhecidas como Treinamento Intervalado de Alta Intensidade) devem fazer parte da sua rotina de treinos para ter ótimos resultados.

Investir nos suplementos certos

Como dito, as proteínas são capazes de auxiliar no ganho de massa magra. Por isso, é indicado consumir suplementos como whey protein. Por ser composto por proteína de maneira isolada ou hidrolisada, a absorção do nutriente se torna ainda mais rápida pelo organismo.

Além disso, termogênicos são ótimos aliados na diminuição do percentual, já que aumentam o metabolismo, promovendo elevação da temperatura corporal. Com isso, as reservas de gordura são usadas para que tal temperatura se normalize, ajudando a emagrecer.

Como pudemos perceber, os resultados dos treinos podem ir além do que, de fato, fazemos na academia. Por tudo isso, é essencial compreender o que é percentual de gordura e observar maneiras de diminui-lo. Juntamente à musculação, é preciso ter foco também na dieta e no consumo dos suplementos certos para alcançar o objetivo definido.

Fonte: Max Titanium

Whey protein perde qualidade no uso em receitas?

whey 1

Nossos tecidos são formados por conglomerados proteicos, uma pessoa de 70 kg, por exemplo, apresenta 13 kg de proteínas em suas estruturas, as mais comuns são: colágeno, miosina, albumina sérica, entre outras.

Essas proteínas são constantemente sintetizadas e degradadas (turn over). Todos os dias, perdemos cerca de 5 g de proteínas em nossa pele, 25 g em nosso trato digestivo e cerca de 70 g no tecido muscular. Para que haja reparo dessas proteínas faz-se necessária a ingestão desse nutriente em quantidades corretas por meio da dieta.

A necessidade proteica de uma pessoa sedentária é de 1 g/kg de peso ao dia, enquanto para um praticante de exercício de resistência com cargas fica entre 1,8 g e 2 g/kg de peso ao dia. Uma das maneiras mais práticas para alcançar essa necessidade é a suplementação com proteínas de alto valor biológico, como por exemplo whey protein, porém, ela ainda é cercada de muitas lendas e mitos.

Um desses mitos é a afirmação de que quando exposto a altas temperaturas para elaboração de receitas (como panquecas, bolos, barras, muffins etc.), o whey sofre perdas significativas na quantidade e qualidade dos aminoácidos que o compõe (perda de valor biológico).

Podemos nos perguntar: se comermos uma carne crua ou assada, qual delas será mais facilmente digerida?
Quando as proteínas são submetidas a temperaturas elevadas, sofrem um processo de desnaturação, ou seja, um rompimento de ligações covalentes de seu esqueleto. Porém, sua sequência de aminoácidos característicos é preservada, o que facilita a ação das enzimas digestivas e, consequentemente, a absorção.

As temperaturas elevadas não provocam danos ao valor biológico do whey protein, até mesmo porque sua forma concentrada é obtida, a partir do leite desnatado, após diversas etapas industriais, como pré-aquecimentopasteurização, evaporação e secagem, além da separação da caseína por coagulação.

A forma hidrolisada, que contém a maior concentração de aminoácidos, necessita também de um processo de aquecimento para sua obtenção, no qual a temperatura chega a 85 graus Celsius.

Alguns estudos mostraram que o aquecimento provoca uma pequena perda de minerais e do aminoácido histidina, que ajuda na formação de células sanguíneas e na prevenção de alergias, essas perdas, no entanto, podem ser facilmente reparadas.

Concluindo, temperaturas elevadas não provocam perda de qualidade do whey protein, portanto, use sua criatividade e busque novas formas de fazer uso desse suplemento que é de grande importância para os reparos teciduais de praticantes de atividades físicas e população geral.

Referências:

A.C. Association of Official Analytical Chemists., W. Horwitz (ed.), 15 edition, 1990, Washington, D.C. ACTON, G.H. The determination of lactose in cheese. , n.9, p.111- 114, 1977.

ALDER-NIELSEN, J. Elsevier Applied Science Publishers, London, p.116-126, 1986.

ALEXANDER, JW; GOTTSCHLISH, MM. Nutritional immunomodulation in burned patients., v.18, p. S149-153, 1990.

BLIGH, EG; DYER, W.J. A rapid method of total lipid extraction and purification., v.37, p.911-917, 1959.

BOIRIE, Y; DANGIN, M; GACHON, P; VASSON, MP; MAUBOIS, JL; BAUFRÈRE, B. Slow and fast dietary proteins differently modulate postprandial protein accretion. (USA), v. 94, p.14930 -14935, 1997.

BORGES, PFZ; SGARBIERI, VC; JACOBUCCI, HB; PACHECO, MTB; BALDINI, VLS.

Frutas: aplicabilidade na dieta dos atletas

frutas

A Organização Mundial da Saúde (1) recomenda a ingestão de 400g de alimentos vegetais (frutas, verduras e legumes), que na prática seria porção de salada e legumes no almoço e jantar, e com relação as frutas, seriam 3 porções ao dia em média.

A recuperação muscular do atleta esta diretamente relacionado com os estoques de glicogênio muscular, que é o combustível de glicose usado durante o exercício físico e está relacionado com a oferta de carboidrato da dieta.

As recomendações de carboidratos para um atleta de elite envolvido em uma preparação física pode girar em torno de 10-12g/kg/dia, segundo as recomendações cientificas (2). Por exemplo, um bodybuilder de 90kg em fase de ganho de massa muscular, ingerindo 10g de carboidrato por kg de peso = 900g de carboidrato = 3600kcal. Se dividirmos 900g em 6 refeiçoes, o atleta deverá comer 150g de carboidrato por refeição.

Se considerarmos que esse total pode ser alcançado com uma fonte de carboidrato ou várias fontes em conjunto para alcançar os 150g de carboidrato puro. Assim, se o atleta escolher comer apenas batata doce, ele terá que ingerir 750g de alimento pronto, ou se escolher comer arroz branco seria equivalente a 500g de arroz cozido. Porém se analisarmos a qualidade destes alimentos, não temos uma oferta de vitaminas e minerais muito grande. Para entender melhor a aplicabilidade das frutas na dieta dos atletas, vemos na tabela abaixo, Taco (4) Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos, as quantidades de frutas para alcançar 25g de carboidratos na porção.

Porção de 25g de carboidrato, frutose e fibras, via fontes de frutas in natura.

O nutricionista tem a capacidade de ajustar as fontes alimentares pensando não só no macronutriente carboidrato, mas também no aporte de vitaminas, minerais, fitoquímicos e fibras. Assim no exemplo da batata doce, se o atleta preferir ele pode ingerir 400g de batata doce, onde teremos 80g de carboidrato, somado a 200ml de suco de laranja = 20g de carboidrato, mais uma salada de frutas contendo: 1 banana de 100g + 200g de morango + 100g de mamão, totalizando 150g de carboidrato na refeição e totalizando 5g de fibra dietética só da salada de frutas.

benefício das frutas está ligado as fontes de carboidratos associados a vitamina C, potássio, magnésio, eletrólitos, vit. A, dentre outros componentes fenólicos que ajudam a melhorar o sistema antioxidante e o sistema imunológico.

Como pode-se ver no cálculo acima, quando existe o ajuste calórico do nutricionista o atleta consegue ingerir uma variedade maior de alimentos que possuem energia, nutrientes, fibras e fitoquímicos para auxiliar na qualidade e aderência da dieta, sem necessidade alguma de restringir alimentos importantes para o rendimento e saúde dos atletas.

Referencias:
1-Diet, Nutrition And The Prevention Of Chronic Diseases: Report Of A Joint WHO/FAO Expert Consultation. WHO Technical Report Series, No. 916. Geneva: World Health Organization; 2003.

2-Thomas DT, Erdman KA, Burke LM. American College of Sports Medicine Joint Position Statement. Nutrition and Athletic Performance. Med Sci Sports Exerc. 2016.
3-Tabela Brasileira De Composic?ão De Alimentos – TACO 4a Edic?ão Revisada E Ampliada, 2011.

TÊNIS: MODALIDADE ESPORTIVA COMPLEXA DO PONTO DE VISTA NUTRICIONAL

praticar-esporte-tenis-clinica-finit

A prática regular de tênis exige boa preparação física do atleta, visto que, para ter um bom desempenho, é necessário ter músculos do corpo inteiro bem desenvolvidos, pernas, braços, abdômen e costas. Além disso, uma partida de tênis pode durar mais de 4h, sendo considerada uma atividade intermitente de longa duração, que exige resistência física e boas reservas de energia no organismo. Portanto, o atleta deve estar bem instruído para ter adequada ingestão calórica e dos demais nutrientes por meio de alimentos e suplementos alimentares.

Tênis e Suplementação

A modalidade apresenta caráter intermitente, intercalando movimentos explosivos de alta intensidade e curta duração com períodos de recuperação. Para fazer a correta análise das necessidades nutricionais do atleta, também se deve levar em consideração o tempo total e real das partidas. A ingestão de carboidratos deve ocorrer diariamente visando repor as reservas energéticas de glicogênio muscular, que serão rapidamente recrutadas no início da partida. Seria interessante, o uso de suplementos para reposição energética de carboidratos durante os períodos de descanso da partida, mas isso ainda necessita de estudos com investigações mais aprofundadas sobre os resultados dessa suplementação.

A creatina é um dos suplementos utilizados para melhorar o desempenho, aumentando a força e a massa magra. Ela fica armazenada no músculo esquelético e, juntamente com o ATP, representa uma reserva energética fundamental para a contração muscular. Participa da formação da fosfocreatina por meio de uma reação reversível que libera um fosfato de alta energia da molécula de adenosina trifosfato (ATP), formando a adenosina difosfato (ADP), sendo esta reação catalisada pela enzima creatina cinase.  ATP e fosfocreatina intramusculares são capazes de sustentar contrações de alta intensidade por um tempo de aproximadamente 10 segundos.

Whey protein e proteínas vegetais aparecem para complementar a estratégia nutricional dos atletas. O aporte proteico adequado, associado a um carboidrato, no pós-treino, é essencial para a recuperação muscular. As proteínas ofertadas nesse período devem ser de alto valor biológico e biodisponíveis, por isso, sua forma isolada e hidrolisada é a mais adequada.

Outro suplemento que poderia participar da estratégia nutricional do atleta é a glutamina, que favorece o turnover proteico e ação anticatabólica. Por aumentar a disponibilidade de substratos, poupa a utilização de BCAA em situações de estresse, como o exercício físico, e participa na ativação da sinalização anabólica.

Fonte: Glanbia

DHA durante a Gestação

 

Wooden blocks forming the letters DHA isolated on white background

Os cuidados alimentares durante a gestação não são uma novidade. Durante esta fase da vida da mulher, a nutrição é fundamental para garantir a saúde do feto e o seu desenvolvimento. Evidências apontam que os benefícios da ingestão de DHA durante a gestação se estendem da mãe ao bebê.

NAS MÃES,
contribui com uma maior adaptação ao estresse durante a gestação, bem como prevenção de depressão pós-parto.

NO BEBÊ,
é de extrema importância e considerado como parte fundamental da formação de toda a estrutura cognitiva do feto e da retina.

PAPEL DO DHA – NA CONSTRUÇÃO DO CÉREBRO

O cérebro humano é composto por quase 60% de gordura. Importante para a formação da membrana externa das células cerebrais, ela permite uma troca rápida e mais eficaz de “mensagens” entre as células nervosas.

No momento de maior desenvolvimento da massa estrutural do cérebro do bebê – durante o 2º trimestre e, principalmente, 3º trimestre gestacional, estendendo-se para a lactação – a ingestão de ótimas quantidades de DHA pela mãe pode repercutir positivamente durante muitos anos na vida da criança.

.
DHA - é um ótimo alimento para o cérebro

Principais Benefícios

relacionado à melhora dos processos cognitivos, como o funcionamento da memória e o correto funcionamento dos neurônios, atuando de forma neuroprotetora.

O DHA é um componente fundamental da membrana celular do cérebro e da bainha de mielina em torno de cada nervo. Ele é transferido a taxas altíssimas da mãe para o feto e essa distribuição é crucial para uma ótima saúde cerebral, ocular, imunidade e desenvolvimento do sistema nervoso.

Por ser um nutriente de alta demanda do feto, em alguns casos a mãe pode apresentar carência desta gordura no seu organismo podendo ter consequências como depressão pós-parto.

Fonte: Essential Nutrition

6 Motivos para Ingerir Proteínas

Proteinas

As proteínas são essenciais na formação de hormônios, enzimas, estruturação e função dos tecidos, células e órgãos do corpo, constituem 17% do corpo humano.

O uso de proteínas do soro do leite (Whey Protein) vem ganhando espaço nas pesquisas científicas. Em diversas condições, sua suplementação foi atestada como terapeuticamente benéfica.

Crescimento e recuperação muscular
CRESCIMENTO
E RECUPERAÇÃO MUSCULAR

Além de promover o crescimento muscular, as proteínas também contribuem para a recuperação da musculatura, fundamental para quem tem uma rotina de treino.

Auxiliar em dietas
AUXILIAR EM DIETAS

Alguns estudos mostram que as proteínas são capazes de reduzir o apetite e promover uma sensação de saciedade, inibindo a liberação da grelina (hormônio da fome).

Aumento da produção de antioxidante (glutationa)
AUMENTO DA PRODUÇÃO DE ANTIOXIDANTE (GLUTATIONA)

A glutationa é um dos mais importantes antioxidantes que protege as células contra radicais livres e melhora o sistema imune. Uma boa quantidade de glutationa fortalece a imunidade, regula o ciclo celular e é um poderoso desintoxicante de todo o corpo. A suplementação com Whey Protein é rica em glicina, ácido glutâmico e cisteína: todos precursores da glutationa.

Defesa do organismo e imunidade
DEFESA DO ORGANISMO E IMUNIDADE

Fortalece o sistema imune. Os anticorpos também são conhecidos como imunoglobulinas, que nada mais são do que uma proteína.

Uso pós-operatório
USO PÓS-OPERATÓRIO

As proteínas auxiliam na reconstrução e cicatrização após uma cirurgia. Já que representam 80% da composição das nossas células.

Prevenção e tratamento da sarcopenia em idosos
PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA SARCOPENIA EM IDOSOS

A sarcopenia é a diminuição da massa magra e força muscular. É um processo que pode ser evitado e também é reversível, através da atividade física e também da dieta rica em proteínas.

QUAL A QUANTIDADE IDEAL DE PROTEÍNA QUE DEVE SER INGERIDA DIARIAMENTE?

A recomendação preconizada é de cerca de 0,8g por kg de peso corporal. Mas isso varia de acordo com a atividade, idade, condição clínica e necessidade personalizada de proteína de cada um.

Fonte: Essential Nutrition

 

Mindfulness

meditation-and-the-brain-e1447864334995

A ciência atual vem descobrindo cada vez mais os benefícios da meditação. São várias as formas de praticá-la, e entre elas se destaca a técnica de Mindfulness, ou Atenção Plena.

A meditação da Atenção Plena vem se desenvolvendo ao longo de mais de 2500 anos. Suas raízes são encontradas na filosofia oriental, mas ela tem crescido rapidamente no mundo ocidental.

As ideias centrais dos programas de Atenção Plena são encontradas nos primeiros ensinamentos budistas e baseiam-se na compreensão de que todos os seres humanos experimentam o próprio mundo de certas maneiras.

O QUE É A ATENÇÃO PLENA

Ter atenção plena é algo que fazemos naturalmente na infância. Se observarmos as crianças explorando seu mundo, percebemos que elas são curiosas, estão totalmente absortas no momento presente, ocupadas com suas atividades e brincando em suas explorações. As experiências são novas, fascinantes e ricas em possibilidades. É esse tipo de atenção que a prática do Mindfulness pretende reacender.

Quando estamos plenamente atentos, percebemos os detalhes de nossas experiências tal como são agora, sem julgá-las ou tentar mudá-las imediatamente.

O resultado pode ser uma forma de responder com habilidade às tendências habituais
e viver a vida mais plenamente, com maior facilidade.

ALGUNS DOS SEUS OBJETIVOS SÃO:

Aumentar a calma e o relaxamento
Lidar com doenças
Melhorar o equilíbrio psicológico, a saúde e o bem-estar geral

CONHEÇA ALGUNS BENEFÍCIOS DA ATENÇÃO PLENA

 

PRESTAR ATENÇÃO DE FORMA PLENA

Somos constantemente incentivados a ser multitarefas e desenvolvemos a capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Nossa atenção fica tão dividida que só obtemos vislumbres de cada uma das atividades do dia a dia – grande parte delas acontece por pura força do hábito.

É verdade que a capacidade da mente de estar com o “piloto automático” ligado é essencial, pois ela nos permite lidar com todos os tipos de informações que nos chegam e administrar tarefas complexas e rotineiras.

O estado de Atenção Plena pode nos permitir decidir onde concentrar a atenção, despertando-nos para detalhes da experiência que estamos vivendo. Ainda podemos operar no piloto automático, mas também somos capazes de mudar a marcha mental quando desejarmos.

A proposta é: imagine uma carruagem sendo guiada por alguns cavalos. Ao invés de deixarmos os cavalos no controle dessa carruagem, podemos aprender a tomar as rédeas da situação para guiá-la sempre que necessário, passando a ter um interesse cordial por nossas experiências, a desenvolver a capacidade de cuidar de nós mesmos e a responder nossas circunstâncias de forma gentil e sábia.

Cuidar de nós mesmos pode até parecer fácil, mas, com a rotina do dia a dia, nem sempre isso é tão simples. Dedicar um tempo para exercitar a atenção plena pode ser uma forma de começar com esse cuidado.

Podemos praticar a Atenção Plena em qualquer atividade do nosso dia a dia. Desenvolver um ritual mindful no consumo de alimentos, por exemplo, é estar consciente e atento às experiências vividas.

 

Fonte: Essenthial Nutrition

Tipos de Cápsulas

cápsulas

CÁPSULA SPRINKLE

São cápsulas vegetais com fácil sistema de abertura, indicada para pacientes que tem dificuldade de deglutição. Seu design inovador de fechamento proporciona aos pacientes facilidade na abertura das cápsulas podendo despejar o conteúdo na água ou diretamente nos alimentos.

CÁPSULA DE TAPIOCA

As cápsulas de tapioca são uma opção de cápsula vegetal que utiliza um polissacarídeo hidrossolúvel obtido da tapioca, através de um processo de fermentação natural. É obtida por processo 100% orgânico e estão disponíveis nas cores incolor e branca. Oferece excelente barreira contra o oxigênio, protegendo a oxidação dos ativos.

CÁPSULA VEGETAL DE CLOROFILA

São cápsulas de coloração verde que contém o corante natural clorofila em sua composição. Existem farmácias que trabalham apenas com as cápsulas vegetais de clorofila, diferente do que é encontrado no mercado convencional, cápsulas tradicionais de gelatina com corante de clorofila.

CÁPSULA GASTRORESSISTENTE

O HPMC além de ser um polímero de fonte vegetal utilizado como substituto da gelatina no desenvolvimento das cápsulas, também tem função de resistência em meio ácido quando em maior concentração. Dessa forma, as cápsulas gastrorresistentes são invólucros feitos com quantidade de HPMC suficiente para evitar que a cápsula seja liberada em meio ácido, prorrogando a sua liberação para o meio entérico. Torna-se uma opção de escolha ideal para fármacos sensíveis ao pH e as enzimas estomacais e para proteger o estômago contra fármacos irritantes.

CÁPSULA VEGETAL

Visualmente são muito parecidas com as cápsulas gelatinosas, mas a grande diferença está na sua composição, que é feita totalmente de polímeros de origem vegetal, conhecido como hidroxipropilmetilcelulose (HPMC). As cápsulas vegetais são uma opção segura para aqueles pacientes que não ingerem produtos de origem animal. Encontramos essas cápsulas em diversos tamanhos e nas cores transparente e branca.

CÁPSULA GELATINOSA

Produzida a partir de gelatina tradicional, é o invólucro mais comumente utilizado na farmácia magistral. É possível encontrá-la em diversos tamanhos e cores, mas geralmente utilizam-se corantes artificiais para gerar a coloração. Algumas farmácias trabalham apenas com as cápsulas gelatinosas transparentes e as brancas, no qual durante o processo de fabricação não é utilizado corante artificial.

Fonte: Essenthial Nutrition

Proteínas: suas subfrações e processamento

whey protein

Nas últimas décadas, numerosas pesquisas vêm demonstrando as qualidades nutricionais das proteínas solúveis do soro do leite – whey protein.

Durante décadas, essa parte do leite era dispensada pela indústria de alimentos. Somente a partir da década de 70, os cientistas passaram a estudar as propriedades dessas proteínas.

Evidências recentes sustentam a teoria de que as proteínas do leite, incluindo as proteínas do soro, além de seu alto valor biológico, possuem peptídeos ativos, que trazem diversos benefícios para a saúde.

COMPONENTES E FRAÇÕES DAS PROTEÍNAS DO SORO DO LEITE E SEUS BENEFÍCIOS

As proteínas do soro do leite apresentam estrutura globular e suas frações, ou peptídeos do soro, são constituídas de:

BETA-LACTOGLOBULINAS (BLG)
Maior peptídeo do soro o que lhe confere resistência à ação de ácidos e enzimas proteolíticas presentes no estômago, sendo, portanto absorvidas no intestino delgado
É o peptídeo que apresenta maior teor de aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs)
ALFA-LACTOALBUMINAS (ALA)
Caracteriza-se por ser de fácil e rápida digestão. Contém o maior teor de triptofano (6%) entre todas as fontes proteícas alimentares, sendo, também, rica em lisina, leucina, treonina e cistina
Possui a capacidade de se ligar a certos minerais, como cálcio e zinco, o que pode afetar positivamente sua absorção
Além disso, apresenta atividade antimicrobiana, contra bactérias patogênicas, como: E. coli, S. aureus
ALBUMINA DO SORO BOVINO (BSA)
Peptídeo de alto peso molecular rico em cistina e relevante precursor da síntese de glutationa
A glutationa é um dos principais antioxidantes do organismo, sendo fundamental para a saúde celular
IMUNOGLUBULINAS (IG’S)
Quatro das cinco classes das Ig’s estão presentes no leite bovino
(IgG, IgA, IgM e IgE)
Suas principais ações biológicas residem na imunidade passiva e atividade antioxidante

As sub-frações ou peptídeos secundários das proteínas do soro são: lactoferrina, beta-microglobulinas, gama-globulinas, lactoperoxidase, lisozima, lactolina, relaxina, lactofano, fatores de crescimento IGF-1 e IGF-2, proteoses-peptonas e aminoácidos livres. Todas com um papel importante para a manutenção da saúde.

As proteínas do soro podem exibir diferenças na sua composição de macronutrientes e micronutrientes, dependendo da forma de obtenção.

TECNOLOGIA PARA O PROCESSAMENTO DO SORO DO LEITE

Diversas podem ser as tecnologias aplicadas para o processamento do soro. Dentre as tecnologias disponíveis, a CFM (Cross-Flow Microfiltration) se destaca por ser um processo diferente de outros menos aprimorados como a troca iônica.

CFM (CROSS-FLOW MICROFILTRATION)

A filtragem é mecânica, passa por vários tipos de filtros de cerâmica para separar proteínas de gordura e outras substâncias indesejáveis com base no tamanho e na forma molecular

Ocorre em baixas temperaturas e pH biologicamente natural, isso faz com que a atividade biológica das proteínas do soro sejam preservadas

Isola a proteína de componentes indesejáveis como a caseína, gordura, colesterol, carboidratos e lactose, através de um processo físico natural preservando suas importantes subfrações proteicas

Esse processo não envolve a utilização de reagentes químicos, garantindo que as frações quebradas de proteína mantenham-se bioativas, ou seja, não sofram desnaturação (perda da função), assegurando a funcionalidade biológica das mesmas no nosso organismo

X

TROCA IÔNICA
Utiliza produtos químicos e degradam as proteínas, ou seja, as tornam biologicamente inativas

Pode remover muitos dos peptídeos bioativos presentes no soro do leite

Não preserva algumas frações importantes da proteína, como por exemplo: os glicomacropeptídeos.

As vantagens do processo Cross-Flow Microfiltration incluem:

1. Mínimo de proteína desnaturada (sem função biológica)
2. Obtenção da proteína sem utilização de processos químicos
3. Melhor perfil de aminoácidos
4. Proteína final com maior teor de cálcio e menos sódio

whey

Essa tecnologia permite a obtenção de produtos diferenciados com elevado valor nutricional que preservam as frações das proteínas que contem valor biológico.

Fonte: Essential Nutrition