LION’S MANE (Hericium erinaceus)

LION’S MANE

AÇÃO CEREBRAL NEUROPROTETORA EFEITO ANTI-INFLAMATÓRIO ALIADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE ALZHEIMER

O QUE É LION’S MANE?

Lion’s mane é uma espécie de fungo comestível (Hericium erinaceus) muito comumente utilizado na medicina e na culinária dos países asiáticos. Sua riqueza de compostos bioativos como, por exemplo, ß-glucana, isoindolinonas, hericenonas e erinacina, faz com que o Lion’s mane apresente propriedade anti-inflamatória e neuroprotetora, tornando-se um insumo potencial para o tratamento de diversas doenças.6,7

COMO FUNCIONA?

A diversidade de compostos bioativos presente no Lion’s mane faz com que esse insumo atue sob diversos mecanismos de ação exercendo benefícios em uma ampla lista de patologias. Seus efeitos já relatados em literaturas mostram atividade como antibiótico, anticâncer, antioxidante, antidiabético, anti-hipertensivo, hepatoprotetor, prebiótico, estimulador do sistema imune, protetor de isquemia e na redução de triglicerídeos e colesterol. Porém, o Lion’s mane apresenta um maior destaque quanto à sua ação cerebral, apresentando uma neuroproteção em doenças como Alzheimer, Parkinson, autismo, depressão e ansiedade.6,7,8,9,10 Especificamente falando de Alzheimer, compostos neuroativos presentes no Lion’s mane como hericenonas e erinacina são capazes de atravessar a barreira hematoencefálica e atuar de forma positiva no cérebro, reduzindo o aparecimento de placas amiloide, o excesso de espécies reativas de oxigênio e promovendo o aumento de neurotransmissores e fator de crescimento neural (NGF). A figura abaixo ilustra os principais mecanismos de ação do Lion’s mane, que são responsáveis por reduzir a progressão da doença de Alzheimer, bem como seus sintomas.1,2,4,6,7

Mecanismo de Ação do H. erinaceus na doença de Alzheimer

Aumenta Expressão mRNA NGF ; Diminui as placas amiloides; Aumenta a concentração da acetilcolina e colina acetil-transferase; Diminui Microglia e astrocitos ativados nas placas; Diminui proteína TAU; Aumenta Lipoxina A4 (LXA4) em cérebro.

HÁ ESTUDOS QUE COMPROVAM SUA AÇÃO?

Muitos trabalhos in vitro e in vivo mostram que o uso de Lion’s mane atua de diversas maneiras no cérebro, sendo capaz de atrasar o desenvolvimento e progressão da doença de Alzheimer. Um trabalho realizado com animais modelos de doença de Alzheimer demonstrou um aumento da síntese do fator de crescimento neural (NGF), substância essencial para o desenvolvimento e sobrevivência dos neurônios. Trabalhos similares também constatam que o uso do Lion’s mane promove uma mielinização mais rápida quando comparado ao placebo.11,12 Ensaio clínico realizado com japoneses de idade entre 50 e 80 anos (n=30) com comprometimento cognitivo leve, foram submetidos a um estudo duplo cego recebendo 1g de Lion’s mane 3 vezes ao dia por 16 semanas. Houve uma melhora na escala de demência de Hasegawa (HDS-R) quando comparado aos pacientes que receberam placebo. Após 4 semanas, cessado tratamento a escala HSD-R voltou a diminuir.3

Em outro ensaio clínico, a administração de Lion’s mane na dose de 2,0g / dia (em cookies) durante 4 semanas mostrou redução de alguns sintomas de ansiedade e depressão em mulheres na menopausa (n=30). Sintomas como palpitações, irritação, ansiedade e concentração mostrou melhores índices quando comparado ao grupo placebo.5

Fonte: Essential Nutrition

 

Peptídeos de colágeno X Envelhecimento cutâneo

envelhecimento-min-1080x350

A pele, nossa principal barreira ao ambiente externo, está diariamente exposta e sujeita às condições ambientais e ao processo de envelhecimento natural.

Além disso, ela também é afetada por agentes externos como:

Adotar uma rotina nutricional adequada e balanceada com a presença de elementos cruciais à sua manutenção é a principal e mais eficaz estratégia para manter uma pele saudável.

Nesse sentido, o colágeno tipo I é o mais abundante no corpo humano, pois representa o principal componente da pele (80%).

collagens-nutris-02

As propriedades únicas das fibras de colágeno proporcionam integridade estrutural à pele. Além disso, o colágeno e a elastina formam a matriz extracelular – substância que preenche o espaço entre as células do tecido conjuntivo e confere estrutura, elasticidade e firmeza à pele.

Com o passar dos anos, a síntese de colágeno varia durante os diferentes estágios da vida e a proporção entre os tipos de colágeno na pele também muda conforme a idade. Além disso, as fibras de colágeno tornam-se mais espessas e curtas, resultando em perda de colágeno tipo I e desequilíbrio na proporção entre os tipos de colágeno.

Todas essas alterações reduzem a firmeza da pele e desalinham os contornos faciais, o que resulta em linhas de expressão (rugas) e sulcos agravados pela força da gravidade.

A suplementação de colágeno hidrolisado tipo I com reduzido tamanho molecular, chamado de peptídeos de colágeno, é capaz de prevenir e reverter os sinais de envelhecimento da pele.

COMO FUNCIONA

O colágeno tipo I é uma proteína extraída exclusivamente de fonte animal (bovina, suína, de frango ou de peixes) que passa por um processo de hidrólise parcial (desnaturação) para formar a gelatina (colágeno hidrolisado).

Esse colágeno hidrolisado pode ser submetido a um processo enzimático para redução e padronização do tamanho molecular, dando origem aos peptídeos de colágeno. O colágeno em peptídeos proporciona absorção e ação no organismo de forma potencializada.

collagens-nutris-06

Na derme, participam da formação das fibras de colágeno e elastina. São essas fibras que oferecem integridade estrutural para a matriz extracelular do tecido conjuntivo.

Além do colágeno, a vitamina C e o mineral silício são componentes necessários à biossíntese de colágeno.
A vitamina C é necessária para a síntese dos aminoácidos hidroxiprolina e hidroxilisina que participam da formação do colágeno. Esses aminoácidos estabilizam a tripla hélice do colágeno e sua ausência resulta na formação de colágeno estruturalmente instável.

O mineral silício, além de participar da síntese dos aminoácidos hidroxiprolina e hidrolisina, promove a síntese e ligação das glicosamino-glicanas às moléculas de água, sendo este processo responsável por reter água nos tecidos. Na pele, é responsável por sua elasticidade, evitando a formação de rugas.

Fonte: Essential Nutrition.

 

Diferenças entre Ômega-3 na forma de TG e EE

omega3-fontes

Na natureza, o óleo de peixe está disponível em triglicerídeos (TG) – forma de gordura mais comum utilizada para fornecer energia –, no entanto, na forma in natura as concentrações de EPA e DHA são baixas e não padronizadas.

Através dos processos de esterificação e destilação molecular, obtém-se um óleo de peixe concentrado, padronizado em EPA e DHA na forma de etil éster (EE). O óleo de peixe na forma de EE é o tipo de suplementação de ômega-3 comercializada mais comum.

Para aumentar a concentração de EPA e DHA e melhorar a absorção, a ciência deu um passo à frente, e a partir do ômega-3 na forma de EE, realizou a reconversão em TG, mantendo-se a pureza e a elevada padronização de EPA e DHA.

TG: encontrada na natureza, é a forma molecular de todas as gorduras e óleos de animais e plantas. EE: não é encontrada na natureza, mas sim sintetizada.

Metabolismo e absorção: o metabolismo da forma TG é mais eficiente que a forma EE. Uma vez que a lipase pancreática pode precisar de 10 a 50 vezes mais tempo para quebrar a ligação da forma EE.

Oxidação e estabilidade: os ácidos graxos sob a forma de EE oxidam mais rapidamente do que aqueles na forma de TG.

Forma em TG (triglicerídeos) apresenta melhor conforto gástrico e absorção 30% superior.

Em relação aos benefícios proporcionados pelas formas EE e TG, estudos concluem que ambos exercem sua ação, porém, a forma em TG apresenta maior biodisponibilidade (cerca de 30% a mais) em razão do processo de metabolização e absorção, o que ressalta a superioridade da forma TG. Por isso, a importância de suplementar nessa forma, principalmente para pessoas com problemas digestivos, como insuficiência pancreática, onde a quebra dos ácidos graxos EPA e DHA pode ser comprometida.

Fonte: Essential Nutrition

.

 

Metais Pesados, riscos a saúde.

metais pesados

Presentes naturalmente no meio ambiente, quando em contato com o nosso organismo, os metais pesados representam um enorme risco à saúde, pois, se acumulam no corpo e são difíceis de serem eliminados. De forma involuntária, convivemos com eles diariamente: através do ar (poluição, fumaça, inseticidas, etc), água (durante o tratamento da água, são utilizados metais pesados), cosméticos e alimentos contaminados.

Além de sintomas já conhecidos como perda de peso, irritação do trato respiratório, danos ao fígado, rins,  e redução da atividade do sistema de defesa, resultante do acumulo de metais pesados no organismo, foi descoberto que eles podem afetar também a fertilidade e aumentar o risco de diabetes tipo 2.

Se você pensa que encontrar metais pesados no organismo é difícil, veja essa pesquisa realizada na Califórnia, na Escola de Saúde Pública de Berkeley, em que foram testados 32 tipos variados dos batons e gloss mais populares nas farmácias e lojas de cosméticos dos Estados Unidos. O resultado não foi nada empolgante para quem utiliza esses produtos, encontraram chumbo, cromo, alumínio e outros cinco metais, que podem aumentar os riscos à saúde.

Veja alguns dos metais encontrados nessa pesquisa ou presentes na rotina de alguma forma: 

METAIS PESADOS NO ORGANISMO:

  1. Arsênico

Muito utilizado como promotor de crescimento animal e encontrado em excesso em peixes, crustáceos e água, o arsênico está relacionado a doenças no trato gastrointestinal, como dores musculares, diarreia e constipação. Ainda pode causar cefaleia, anorexia, pressão baixa e manchas escuras na pele.

  1. Alumínio

O alumínio pode ser encontrado em utensílios de cozinha, fermento em pó, emulsificantes e agentes que promovem leveza a massas; recipientes de alumínio para alimentos, como marmitex e latas de refrigerantes. Seu excesso vem sendo associado à alteração de comportamento, dislexia, fadiga, ansiedade, irritação gastrointestinal e absorção inadequada de nutrientes, como cálcio e magnésio.

  1. Chumbo

Considerado o metal pesado mais disseminado no meio ambiente, o chumbo pode ser encontrado em fontes como fertilizantes, tintas contendo chumbo, vidros e ossos de animais. A toxicidade desse metal pode levar à deficiência do funcionamento do sistema nervoso central, sendo relacionado com diminuição do rendimento escolar, alterações de comportamento e hiperatividade.

  1. Cádmio

Entre as fontes de cádmio, encontram-se tubulações residenciais, tabaco, frutos do mar, poluição industrial, soldas, pigmentos e baterias. Está associado, com frequência, à lesão renal, anemia, deficiência de ferro, cobre e zinco, rinite, hipertensão e dores osteoarticulares.   

  1. Mercúrio

O mercúrio pode ser encontrado em termômetros, fungicidas, alimentos, madeira, peixes, algas marinhas contaminadas e rios poluídos. A intoxicação por este metal pode causar danos ao fígado, aos rins, à memória, provocar insônia, instabilidade emocional, gosto metálico na boca e reações alérgicas.

Efeitos da suplementação com L-arginina na performance e rendimento esportivo

esportes

Atletas competitivos e recreativos inevitavelmente adotam sessões de treinamento extremamente intenso com a finalidade de melhorar tanto a capacidade de trabalho quanto o rendimento. Isto inevitavelmente os torna vulneráveis às consequências adversas provocadas pelo treino de alta intensidade, tais como altas taxas de catabolismo de proteínas, perfil pró-inflamatório, danos musculares, stress oxidativo crônico, fadiga e comprometimento imunológico. Além disso, tanto atletas competitivos quanto recreativos são particularmente vulneráveis ao marketing relacionado a suplementos nutricionais, alimentos esportivos e agentes ergogênicos, já que se sentem pressionados a manterem uma vantagem competitiva.

Desde a década de 60 atletas competitivos têm utilizado a suplementação com L-arginina por três razões básicas: a) sua influência na secreção endógena de hormônio de crescimento humano (HGH); b) seu envolvimento na síntese [também endógena] de creatina; c) seu papel na produção de óxido nítrico. No entanto, a pesquisa atual veio elucidar várias outras ações da L-arginina dentro do esporte recreativo e competitivo.

Recentemente, o óxido nítrico (NO) emergiu como um promissor agente ergogênico, o que acarretou em uma revolução no conhecimento fisiológico e farmacológico. Embora ele seja inerentemente instável e exerça rapidamente seus benefícios devido à sua afinidade com várias heme-proteínas, ele não possui papel ativo como suplemento nutricional, fazendo com que seja necessária a ingestão de outras substâncias que influenciam a produção endógena de NO. Apesar de ser uma das várias substâncias vasodilatadoras produzidas pelo endotélio, a ciência elucidou a dramática importância das ações mitocondriais relacionadas ao NO, incluindo respiração mitocondrial e seu papel vital no controle vascular e metabólico.

O óxido nítrico (NO) é um gás solúvel em gordura e uma molécula de meia-vida curta presente em diversos fluidos biológicos, vindo a ser uma das mais abundantes moléculas de sinalização, participando em virtualmente todas as funções celulares e orgânicas no corpo humano. Além disso, o corpo tem a capacidade de sintetizá-lo em vários locais onde ele influencia a neuroproteção, plasticidade sináptica, regulagem do fluxo sanguíneo, contratibilidade muscular, homeostase de cálcio e glucose, além de respiração e biogênese mitocondrial (através de vias metabólicas cGMP, angiogênese e trombose, as quais são determinantes no impacto da fadiga e performance muscular, o que se constitui em uma das diversas explicações sobre a melhoria na eficiência muscular lisa e contrátil). Ele é rapidamente oxidado tanto pela oxihemoglobina quanto pela ceruloplasmina e se constitui num potente vasodilatador endógeno responsável pelo aumento da perfusão sanguínea, contribuindo para a ocorrência de mudanças no fluxo sanguíneo durante exercício dinâmico e recuperação pós-treino.

Também relacionado ao treinamento físico de alta intensidade é o fato de que o NO é um inibidor de alta afinidade para a atividade de várias enzimas (por exemplo, citocromo oxidase), já que ele reduz o deslizamento das bombas de protons mitocondriais, elevando assim a eficiência da fosforilação oxidativa e modulando a função contrátil dos músculos. A síntese de NO ocorre em pelo menos duas vias metabólicas: a via dependente da enzima NO sintase (NOS) e a via independente. Na primeira via, o NO é gerado através da oxidação da L-arginina (na qual a L-arginina é o principal precursor).

A partir do final da década de 90, devido à grande quantidade de evidências acumuladas pela pesquisa científica, sedimentou-se o conceito da relação entre NO e a expressão da enzima AMPK (proteína kinase AMP-ativada) nas células, que cooperativamente promovem a oxidação de ácidos graxos e glucose (eventos ansiosamente aguardados por treinadores e atletas). Confirmou-se que a AMPK regula a produção de NO, enquanto que este último pode modular a atividade da AMPK através de mudanças na expressão genética.

A partir daquele época, a influência e as ações do óxido nítrico no esporte recreativo e competitivo já estavam firmemente elucidadas:

– a resposta vascular inicial ao exercício físico é recrutamento capilar, seguida por mudanças importantes no fluxo sanguíneo muscular total e o NO está definitivamente envolvido em ambos. Desta forma, a ativação de células satélites (aspecto essencial para crescimento de tecido muscular) é iniciada através do aumento na produção de NO na musculatura contrátil;

– os níveis de NO se elevam em resposta a sessões agudas de treino físico e também são elevadas como uma adaptação ao treino rotineiro. Assim, atletas com maiores níveis de aptidão física apresentam maiores níveis de NO circulante em repouso do que pessoas sedentárias;

– o NO também está envolvido na regulagem da força contrátil tanto diretamente (ao afetar os canais de cálcio do retículo sarcoplasmático) quanto indiretamente (ao modular a fosforilação mitocondrial).

Desde a década de 80, principalmente devido a estudos relacionados ao seu papel em doenças cardiovasculares, a suplementação com L-arginina já está definitivamente ligada à maior produção endógena de NO (ela é precursora na síntese de NO) e isso ocorre em vários locais do corpo, principalmente no endotélio. Porém, sua influência passou a ser confirmada em diversas outras áreas relativas ao esporte recreativo e competitivo.

No ano de 2009, cientistas da Texas A & M University comprovaram que a suplementação com L-arginina diminui o ganho de gordura corporal branca e favorece o aumento de gordura marrom, além de elevar o ganho de massa muscular, ao desviar a compartimentalização de nutrientes da dieta, promovendo o ganho de massa muscular sobre o ganho de gordura branca e melhorando significativamene o perfil metabólico.

Em 2017, pesquisadores brasileiros tiveram pesquisa publicada no Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports confirmando que a suplementação com L-arginina modula os níveis de inflamação e os genes que expressam musculatura contrátil, ao atenuar a resolução de fatores musculares inflamatórios induzidos pelo treinamento de resistência e elevar a expressão da proteína MyoD durante a fase inicial do reparo muscular. A proteína MyoD pertence à família dos fatores de regulagem miogênica (MRFs) e exerce papel vital na modulação da diferenciação muscular. Estes fatores de transcrição conhecidos como bHLH (basic helix loop helix) atuam sequencialmente na diferenciação miogênica e a proteína MyoD é um dos primeiros marcadores de comprometimento miogênico, tendo expressão nula ou indetetável nas células satélites quiescentes.

Cinco anos antes (2012) outro grupo de pesquisadores brasileiros trabalhando com atletas de jiu- jitsu induziu hiperamonemia transitória juntamente com dieta de baixo carbo e treinamento de alta intensidade, a fim de avaliar mudanças no metabolismo nitrogenado. Mesmo uma elevação de um fator de seis nos níveis de amônia não acarretou em danos musculares ou mudanças de estase da glicemia. Eles demonstraram pela primeira vez que a suplementação com L-arginina diminui tanto amonemia quanto a resposta dos linfócitos durante exercício intenso.

A suplementação com L-arginina eleva a capacidade ao exercício físico e retarda o surgimento da fadiga, em inúmeros estudos projetados para investigar os mecanismos benéficos potenciais da sua  suplementação ao examinar seu efeito sobre as vias metabólicas de stress oxidativo e nitrosativo durante treinamento físico. Confirmou-se que a suplementação com L-arginina reduz significativamente o desbalanceamento entre stress oxidativo e defesas antioxidantes que ocorre devido ao treinamento intenso, sendo que esta modulação é mediada através das vias L-arg/NO.

A administração de L-arginina também é capaz de reduzir a concentração de lactato pós exercício e elevar os níveis de IL-6 em atletas HIV-1 positivos. Baixas concentrações de L-arginina favorecem a ação de citocinas inflamatórias nessa população, confirmando que a ativação da via metabólica L-arg/NO acarreta em efeitos anti-inflamatórios pós-treino.

Em 2014, mais um grupo de pesquisadores brasileiros confirmou que a suplementação com L-arginina previne a elevação na permeabilidade intestinal e a translocação bacteriana durante exercício físico de alta intensidade em condições de hipertermia (treino físico num ambiente de alta temperatura). Dependendo dos níveis de stress térmico ambiental e da intensidade do exercício, a vasoconstrição esplâncnica resulta em isquemia local com elevação do stress oxidativo e nitrosativo, provocando graves danos à barreira intestinal. A translocação bacteriana está associada a inúmeras condições graves, incluindo cirurgia, choque, isquemia e obstrução intestinal e, sob tais condições fica comprometido o balanceamento da função imunológica, tornando a pessoa suscetível à passagem de bactérias para a circulação sistêmica.

Em 2015, num estudo publicado no periódico Clinical and Experimental Pharmacology and Physiology, pesquisadores confirmaram que níveis cerebrais elevados de L-arginina facilitam a perda térmica cutânea induzida pela corrida, ao modular o tônus vasoconstritor simpático para os vasos sanguíneos localizados na pele.

Naquele mesmo ano, pesquisadores chineses da National Taiwan University of Sport comprovaram pela primeira vez (inúmeros outros estudos posteriores confirmaram as conclusões em outras modalidades esportivas) que a suplementação simultânea com L-arginina e aminoácidos BCAA melhora significativamente a performance em atletas de handebol de ambos os sexos. Já se sabia que os benefícios potenciais da suplementação de BCAA sobre a fadiga eram diminuídos devido à elevação simultânea dos níveis sanguíneos de amônia, acarretando em alterações no metabolismo energético cerebral, neurotransmissão e vias de sinalização dentro dos neurônios. Também já era sabido que a L-arginina é capaz de reduzir o acúmulo de NH3 ao otimizar o ciclo da ureia e a vasodilatação. Este estudo foi o primeiro a confirmar que a suplementação conjunta de L-arginina com BCAA alivia dramaticamente a fadiga central em atletas de handebol de ambos os sexos ao diminuir a relação triptofano/BCAA, evitando simultaneamente o estado de hiperamonemia.

Em 2010, cientistas confirmaram que a suplementação de L-arginina com antioxidantes é capaz de elevar em 17% o limiar anaeróbico em ciclistas entre 50 e 73 anos de idade, já na primeira semana de suplementação. Este aumento observado no limiar anaeróbico foi adicionalmente validado pela elevação em 22 watts na produção de potência ao se atingir o limiar. Tais mudanças fisiológicas são inegavelmente associadas a uma maior duração do exercício e uma taxa de trabalho mais elevada devido à suplementação. Tais dados são também extraordinários devido ao fato de que todos os voluntários do grupo suplementado demonstraram grandes elevações no limiar anaeróbico, enquanto que em nenhum dos voluntários do grupo com placebo foi demonstrada a ocorrência de tais benefícios.

Referências bibliográficas

https://www.omicsonline.org/open-access/nitric-oxidearginine-is-cardiovascular-modulation-effects-in-athletessupplementation-2473-6449-1000118.php?aid=84693

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/sms.12935/pdf

http://jn.nutrition.org/content/139/2/230.full.pdf+html

www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23950164

https://www.thieme-connect.com/DOI/DOI?10.1055/s-0032-1331740

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3502551/#B18

http://ajcn.nutrition.org/content/83/2/508S.long

https://www.thieme-connect.com/DOI/DOI?10.1055/s-2002-33743

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12579527

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25881674

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4372381/

http://www.nature.com/articles/ejcn2016266

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC507270/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28649743

http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10715762.2017.1301664?journalCode=ifra20&

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4899898/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2860344/

Texto do Dr. Ítalo Salzano

Posicionamento da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva quanto à segurança e eficácia da suplementação da creatina

creatina-micronized

Com o objetivo de solidificar o conhecimento atual sobre o papel e a segurança da suplementação de creatina para o exercício, esporte e medicina, e, assim, também atualizar a posição da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva (ISSN) quanto à sua suplementação, uma pesquisa de revisão da literatura científica e médica da área foi realizada, abrangendo mais de 200 estudos publicados.

A creatina é uma das ajudas ergogênicas nutricionais mais populares para os atletas, com muitos estudos demonstrando consistentemente que a sua suplementação aumenta as concentrações de creatina intramuscular, pode melhorar o desempenho do exercício e/ou melhorar as adaptações de treinamento. Os dados indicam que a suplementação de creatina pode melhorar a recuperação pós-exercício, prevenção de lesões, termorregulação, reabilitação e neuroproteção da medula espinhal e/ou concussão. Uma série de aplicações clínicas também foram estudadas envolvendo as doenças neurodegenerativas (por exemplo, distrofia muscular, Parkinson, doença de Huntington), diabetes, osteoartrite, fibromialgia, envelhecimento, isquemia cerebral e cardíaca, depressão em adolescentes, e até mesmo para a gestação.

A revisão publicada em Journal of the International Society of Sports Nutrition conclui que desde adolescentes até adultos mais velhos se beneficiam da suplementação de creatina monohidratada sem efeitos colaterais significantes.

Posicionamento da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva (ISSN)

Depois de revisar a literatura científica e médica nesta área, a Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva conclui como sua posição oficial o seguinte em termos da suplementação de creatina:

  1. A creatina monohidratada é o suplemento nutricional ergogênico mais eficaz atualmente disponível para os atletas com a intenção de aumentar a capacidade de exercício de alta intensidade e massa corporal magra durante o treinamento.
  1. A suplementação de creatina monohidratada não é apenas segura, mas tem sido relatada como fornecedora de uma série de benefícios terapêuticos em populações saudáveis e doentes que variam entre bebês e idosos. Não há provas científicas convincentes de que o seu uso em curto ou em longo prazo (até 30g/dia por 5 anos) tenha efeitos prejudiciais sobre indivíduos saudáveis ou entre populações clínicas que possam se beneficiar de suplementos de creatina.
  1. Se forem fornecidas adequadas precauções e supervisão, a suplementação de creatina monohidratada em crianças e atletas adolescentes é aceitável e pode fornecer uma alternativa nutricional com um perfil de segurança favorável para drogas androgênicas anabolizantes potencialmente perigosas. No entanto, recomendamos que a suplementação de creatina seja considerada apenas para uso por atletas mais jovens que: A) Estão envolvidos em treinamento supervisionado sério/competitivo; B) Estão consumindo uma dieta bem equilibrada, otimizadora do desempenho; C) Conhecem bem o uso apropriado da creatina; e, D) Não excedam as dosagens recomendadas.
  1. Os avisos nos rótulos de produtos de creatina que advertem contra o uso para menores de 18 anos, embora talvez sejam destinados a isolar seus fabricantes de responsabilidade legal, são provavelmente desnecessários, dada a ciência que apoia a segurança da creatina, inclusive em crianças e adolescentes.
  1. Atualmente, a creatina monohidratada é a forma mais criticamente estudada e eficaz de creatina para uso em suplementos nutricionais em termos de absorção muscular e aumento da capacidade de exercício de alta intensidade.
  1. A adição de carboidratos ou carboidratos e proteínas a um suplemento de creatina parece aumentar a absorção muscular da creatina, embora o efeito nas medidas de desempenho não seja maior que o uso da creatina monohidratada por si só.
  1. O método mais rápido para aumentar as reservas de creatina muscular pode ser de 0,3 g/kg/dia de creatina monohidratada durante 5 a 7 dias seguidos depois de 3-5 g/dia para manter as reservas elevadas. Inicialmente, a ingestão de pequenas quantidades de creatina monohidratada (por exemplo, 3-5 g/dia) aumentará as reservas de creatina muscular ao longo de um período de 3 a 4 semanas, no entanto, os efeitos de desempenho iniciais deste método de suplementação são menos suportados por estudos.
  1. Populações clínicas têm sido suplementadas com níveis elevados de creatina monohidratada (0,3-0,8 g/kg/dia, o equivalente a 21-56 g/dia para um indivíduo de 70 kg) durante anos sem eventos adversos clinicamente significativos ou graves.
  1. Pesquisas adicionais são necessárias para examinar os potenciais benefícios médicos da creatina monohidratada e precursores como o ácido guanidinoacético no esporte, saúde e remédios.

Referência: Kreider RB, et al. International Society of Sports Nutrition position stand: safety and efficacy of creatine supplementation in exercise, sport, and medicine. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2017. Doi:10.1186/s12970-017-0173-z

Será que a testosterona pode ser a chave para a perda de peso? Suplemento hormonal “ajuda os homens a perder gordura, mas manter o músculo”

1copacabana vista hotel othon

Ao perder peso com dieta, muitas vezes perde-se gordura e músculo. No entanto, especialistas revelaram que o tratamento com testosterona permite aos homens com excesso de peso, ao fazer uma dieta, perder gordura, mas manter os músculos.

Quarenta por cento dos homens obesos têm baixos níveis de testosterona, de acordo com cientistas da Universidade de Melbourne. O principal autor do estudo, Dr. Mathis Grossmann, relatou: “Há uma epidemia de obesidade e hipogonadismo funcional relacionado, mas o tratamento com testosterona ainda permanece controverso. “Este estudo demonstra pela primeira vez que, entre os homens obesos com níveis de testosterona reduzidos, a terapia de reposição aumentou a perda, induzida por dieta, de massa gorda total e visceral, e impediu a perda de massa magra.”

A equipe de cientistas realizou um ensaio clínico com 100 homens obesos ‘razoavelmente saudáveis’. Cada um dos participantes estava entre as idades de 20 e 70 anos, e tinha nível baixo de testosterona. Além disso, 20% deles tinham diabetes, enquanto 10% tinham doença cardíaca. Os participantes foram colocados sobre uma estrita dieta de 600 calorias por dia, durante as primeiras 10 semanas do estudo. Eles foram incentivados a se abster de álcool – além de realizar pelo menos 30 minutos diários de exercício moderado.

Entre a semana 11 e 56 do estudo, todos os participantes seguiram uma dieta de manutenção de peso, com base na Australia Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation Total Wellbeing Diet. Mas do grupo total, 49 deles também receberam injeções de testosterona intramuscular a cada 10 semanas. Os restantes 51 homens receberam placebo.

No final das 56 semanas, os dois grupos perderam quase 11kg. No entanto, os homens sob o tratamento com testosterona perderam “quase exclusivamente” gordura, enquanto os que receberam placebo perderam músculo e gordura. Os participantes obesos, sob tratamento com testosterona, perderam 3kg mais do que o grupo placebo, e mantiveram sua massa muscular, enquanto que o grupo placebo perdeu 3,5kg de massa muscular.

O estudo foi apresentado na reunião anual da Sociedade de Endocrinologia. Os resultados vieram logo depois que uma equipe de cientistas da Intermountain Medical Center Heart Institute, em Salt Lake City, descobriu que a suplementação com testosterona em homens mais velhos pode reduzir drasticamente o risco de ataques cardíacos e derrames.

Os cientistas estudaram 755 pacientes cardíacos, que receberam o hormônio masculino injetado ou em forma de gel. Aqueles que receberam a terapia de testosterona apresentaram 80% menos probabilidade de sofrer um evento cardiovascular, como um ataque cardíaco ou derrame, em comparação com aqueles que não receberam a terapia.

Fonte:http://www.dailymail.co.uk/health/article-3523352/Is-testosterone-key-weight-loss-Hormone-supplement-helps-men-shed-fat-retain-muscle.html

Pular café da manhã não leva a comer mais depois, afirma estudo

cafe da manha

O papel do café da manhã nas dietas de gerenciamento de peso sempre foi questionado e a pesquisa sobre o tema segue em andamento. Um estudo recente sobre ingestão de energia e atividade física mostrou que as adolescentes que pularam o café da manhã consumiram 350 calorias a menos por dia.

Pesquisadores da Universidade de Loughborough analisaram os hábitos alimentares e físicos de 40 adolescentes entre 11 e 15 anos em três dias, avaliando como a omissão do café da manhã afetou sua ingestão diária de energia. Sua primeira descoberta foi que as meninas comiam, em média, 115 calorias (kcal) a mais quando pulavam o café da manhã em comparação com os dias em que ingeriam a refeição matinal padrão fornecida pelos pesquisadores.

Entretanto, ao calcular o valor calórico do café da manhã nos dias que ele era fornecido, com cerca de 470 kcal por refeição, uma surpresa: a ingestão líquida de calorias consumidas durante todo o dia foi de menos 353 kcal nas datas em as jovens pulavam a primeira refeição do dia.

Segundo o Dr. Keith Tolfrey, coautor do trabalho “Effect of breakfast omission and consumption on energy intake and physical activity in adolescent girls” (em tradução livre, “O efeito da omissão do café da manhã, o consumo energético e atividade física em adolescentes”), as pessoas que têm o hábito de consumir o café da manhã têm menos probabilidades de sobrepeso ou obesidade, mas a sua pesquisa mostrou que o café da manhã aumentou a ingestão total de energia nas meninas no curto prazo.

Café da manhã: refeição mais importante do dia?

O estudo mostrou que a ligação entre o café da manhã e a manutenção do peso ainda requer trabalho adicional. De acordo com Tolfrey, há uma crença comum de que o café da manhã é a refeição mais importante do dia. No entanto, cerca de um terço das crianças e adolescentes em muitos países não consome a refeição regularmente.

“Há muitos relatórios que mostram que a omissão do café da manhã está associada à obesidade, o que pode ter levado a premissas prematuras de que aquela refeição pode ser usada como uma intervenção para controle de peso. Mas não sabemos por que o café da manhã está associado a uma menor probabilidade de sobrepeso ou obesidade, ou se ele pode ser usado efetivamente como uma estratégia de controle de peso”, detalha o médico.

O café da manhã na pesquisa e na mesa dos adolescentes

De acordo com a autora principal da pesquisa – uma parceria firmada entre Loughborough e a Universidade de Bedfordshire, publicada no British Journal of Nutrition – Julia Zakrzewski-Fruer, da Universidade de Bedfordshire, suas descobertas apoiam um pequeno número de estudos experimentais que analisaram um dia de omissão do café da manhã. Tais análises descobriram que ao pular a refeição foi encontrada uma associação ao menor consumo de energia.

Com os resultados da pesquisa encabeçada por Julia Zakrzewski-Fruer, questiona-se por que os jovens que ingerem café da manhã regularmente têm menos probabilidades de sobrepeso ou obesidade. Isso significa que a busca por respostas desencadeou novas pesquisas sobre a importância do café da manhã na manutenção e perda de peso, incentivando o intercâmbio científico entre pesquisadores e médicos.

“Vale a pena notar que, devido à base de evidências limitadas, não podemos dizer definitivamente como o café da manhã está ligado ao status de peso e à saúde, então pesquisas futuras ajudarão a determinar se o consumo diário de café da manhã pode ser usado como uma intervenção para reduzir o risco futuro de doença em jovens”, finaliza a Dra. Zakrzewski-Fruer.

Fonte: https://medicalxpress.com/news/2017-10-breakfast-overeating-day.html

AÇAÍ – Antioxidante com propriedades prebióticas

beneficios-açaí-810x456

Além do aumento das temperaturas, a chegada do verão também impulsiona o crescimento das vendas do famoso açaí na tigela, smoothie da fruta amazônica com outras frutas ou combinações diversas. Selecionando os ingredientes que o compõem, é possível obter do açaí certos benefícios protetores que justificam seu rótulo de “superalimento”.

Dois novos estudos publicados apontam alguns dos benefícios já pesquisados do açaí, mas abrangendo agora um pouco mais o entendimento do potencial efeito prebiótico do fruto, bem como de seus flavonoides –as antocianinas, nesse caso. Pigmentos de cor azul escura encontrados em certas frutas como açaí, uva e mirtilo, os flavonoides atuam como antioxidantes e são relacionados a reduções no risco de condições como o câncer e doenças cardiovasculares.

Já os prebióticos são componentes dos alimentos que não são digeríveis e que estimulam ou alimentam seletivamente o crescimento e atividade de bactérias benéficas de todo o trato gastrointestina, fundamentais para a saúde geral.

Benefícios das antocianinas do açaí versus saúde intestinal

Realizado por pesquisadores brasileiros do departamento de biociência da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o primeiro estudo abordou mais especificamente a biodisponibilidade das antocianinas.1 Os pesquisadores executaram uma revisão sistemática da literatura científica e encontraram a informação de que a microbiota intestinal é crucial para a biodisponibilidade das antocianinas.

Isto significa que, para que os compostos saudáveis sejam bem absorvidos ou disponíveis para o seu uso ou armazenamento pelo organismo, precisamos cuidar da microbiota (comunidades de bactérias) que habita o nosso trato gastrointestinal. Ou seja: para obter os benefícios das antocianinas, é necessário que a microbiota intestinal do organismo esteja em dia.

Além disso, o estudo, que foi publicado no Journal of Food Composition and Analysis, ressalta também a importância de alimentos fermentados (pró-bactérias saudáveis) e adiciona mais um benefício que as bactérias do trato gastrointestinal nos proporcionam: um melhor reaproveitamento das antocianinas pelo nosso organismo.

Açaí anti-idade e anticâncer: as antocianinas como prebióticos

Já o segundo estudo, realizado por cientistas da Universidade de Reading e Universidade de Roehampton, ambas no Reino Unido, aponta que a riqueza do conteúdo de antocianina do açaí pode reduzir doenças relacionadas à idade e combater um ambiente possivelmente pró-câncer por oferecer proteção ao material genético ou DNA.2

Em um modelo simulado do trato gastrointestinal, os cientistas do estudo preliminar publicado em Food Chemistry descobriram que uma porcentagem significante desses polifenois (antocianinas) sobrevive bem ao processo de digestão, chegando intacta no cólon e podendo assim exercer seus efeitos antigenotóxicos.

Adicionalmente, esses compostos estimulam o crescimento e atividades de uma microbiota benéfica, como as bactérias Bifidobacterium e Lactobacillus, acima de grupos não tão desejáveis como as Clostridium histolyticum – beneficiando o cólon com suas propriedades prebióticas.

Estudos randomizados e controlados (in vivo) são aguardados para uma melhor compreensão sobre os mecanismos de frutas ricas em antocianinas, como o açaí, e seus consequentes benefícios para a saúde. No entanto, tomados em conjunto, os achados dos estudos aqui resumidos possivelmente se encontram na interação das antocianinas com a microbiota.

Indo mais além, é possível concluir ainda que, entre as potentes antocianinas do açaí e as fundamentais comunidades que residem no trato gastrointestinal, parece existir uma interdependência para a otimização do trabalho de cada um. Assim como os adicionais do smoothie do açaí, que o tornam ainda mais delicioso, seus benefícios provavelmente estão interligados entre si, aumentando a qualidade de vida de quem o consome.

https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2017.04.164

1- Braga ARC, et al. Bioavailability of anthocyanins: Gaps in knowledge, challenges and future research. Journal of Food Composition and Analysis, 2017. Doi:10.1016 / j.jfca.2017.07.031

2- Alqurashia RM, et al. In vitro approaches to assess the effects of açai (Euterpe oleracea) digestion on polyphenol availability and the subsequent impact on the faecal microbiota. Food Chemistry, 2017. Doi:10.1016/j.foodchem.2017.04.164

 

Adoçante de Stevia é saudável?

stevia-adocante

Originária da América do Sul, a stevia é uma planta com uma longa história de uso como adoçante. Os indígenas Guarani a usavam para tirar o amargor de seus remédios e adoçar sua erva mate e seu poder adoçante pode ser até 300 vezes maior que o açúcar.

Hoje a stevia é cultivada na Ásia, como também em partes do Caribe e da América do Norte e Israel, além de seu local geográfico originário.

O extrato das folhas da stevia é constantemente investigado e surgem evidências científicas dos seus benefícios em pacientes com açúcar elevado no sangue/resistência à insulina e pressão alta.1-3 Neste caso, pacientes diabéticos, e aqueles interessados em reduzir os níveis de açúcar na dieta seriam beneficiados pela substituição do açúcar pela stevia.

Para comprovar sua segurança, pesquisadores chineses buscaram avaliar em um novo estudo a toxidez do extrato da Stevia. Para testar a genotoxidade (ação nociva que afeta a integridade de uma célula de material genético) foram feitos ensaio de mutação reversa bacteriana, ensaio de micronúcleo de medula óssea e ensaio de malformação de esperma de camundongos. Para testar a toxidade subcrônica oral, foi feito um experimento de alimentação por 90 dias.4

Segundo os pesquisadores, o extrato de stevia passou em todos os testes. Ou seja, continuam recomendando a stevia como um adoçante seguro e pode ser utilizada em alimentos funcionais, bem como medicamentos,No entanto, ressaltam a importância da qualidade e procedência da matéria-prima.

Referências:

1- Ulbricht C, et al. An evidence-based systematic review of stevia by the Natural Standard Research Collaboration. Cardiovasc Hematol Agents Med Chem. 2010. Doi:10.2174/187152510791170960

2- Chatsudthipong V; Muanprasat C. Stevioside and related compounds: therapeutic benefits beyond sweetness. Pharmaco Ther. 2009. Doi:10.1016/j.pharmthera.2008.09.007

3- Goyal SK, et al. Stevia (Stevia rebaudiana) a bio-sweetener: a review. Int J Food Sci Nutr. 2010. Doi:10.3109/09637480903193049

4- Zhang Q, et al. Toxicological evaluation of ethanolic extract from Stevia rebaudiana Bertoni leaves: Genotoxicity and subchronic oral toxicity. Regulatory Toxicology and Pharmacology, 2017. Doi:10.1016/j.yrtph.2017.03.021